ICL Notícias

Governo argentino proíbe linguagem inclusiva nas Forças Armadas

Divulgada pelo site da Presidência, a medida exclui termos inclusivos como 'soldada' e 'generala'
28 de fevereiro de 2024

O governo do ultradireitista Javier Milei anunciou a proibição do uso da linguagem inclusiva nas Forças Armadas e entidades ligadas ao Ministério da Defesa da Argentina.

Antes facultativa, a medida restringe termos como “soldada” e “generala”. A resolução, assinada pelo ministro Luis Petri na ultima sexta-feira (23), foi divulgada na segunda-feira (26). O texto foi publicado no site da Presidência da Argentina.

Segundo o site Brasil 247, a linguagem inclusiva visa evitar expressões excludentes, promovendo igualdade e diversidade, especialmente em relação a gênero, raça e outras identidades.

A decisão contrasta — apesar de não ser declarado como regra clara — com políticas anteriores, feitas pelo Ministério da Defesa, de apoio às transformações culturais nas relações de gênero.

Linguagem inclusiva

A linguagem inclusiva, no contexto de gênero, visa utilizar termos que não reforcem estereótipos, incluindo gêneros não-binários ou pessoas que não se identificam exclusivamente como masculino ou feminino. Isso pode envolver termos neutros, pronomes preferidos pela pessoa ou a alternância entre feminino e masculino.

Além do gênero, essa prática estende-se a grupos étnicos, pessoas com deficiência e outras minorias, evitando termos pejorativos para criar um ambiente acolhedor e justo. É importante ratificar que a linguagem inclusiva varia entre culturas e está em constante evolução, refletindo mudanças nas normas sociais e compreensões sobre identidade e inclusão.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail