ICL Notícias

Ataque de Israel: ministro elogia ação em Gaza que matou 112 civis palestinos

"Extremista perigoso" para o NYT, Ben-Gvir definiu como "excelente" operação que chocou o mundo
1 de março de 2024

Um ministro de Israel muito próximo de Benjamin Netanyahu elogiou a atitude dos militares de seu país que mataram 112 palestinos durante entrega de ajuda humanitária na Faixa de Gaza.

Itamar Ben-Gvir, ministro da Segurança Nacional, chamou de “loucura” o envio de itens básicos ao território. Os soldados dispararam deliberadamente contra a multidão, deixando mais de 700 feridos, além das vítimas fatais.

“Deve ser dado apoio total aos nossos heroicos combatentes que operam em Gaza, que agiram de forma excelente contra uma multidão que tentou prejudicá-los”, escreveu Ben-Gvir no antigo Twitter.

Ele reiterou uma posição defendida por ele desde os ataques do grupo terrorista Hamas, em 7 de outubro do ano passado, e que deixaram 1,2 mil mortos: a de que Israel deveria bloquear todos os envios de ajuda humanitária a Gaza até que o Hamas fosse derrotado e até que os mais de 200 reféns voltassem para casa.

“Hoje ficou provado que a transferência de ajuda humanitária para Gaza não é apenas uma loucura enquanto os nossos raptados estão detidos na Faixa em condições precárias, mas também põe em perigo os soldados das FDI (Forças de Defesa de Israel, como são chamadas localmente as Forças Armadas do país). Esta é outra razão clara pela qual devemos parar de transferir esta ajuda, que é na verdade uma ajuda para prejudicar os soldados das FDI e dar oxigênio para o Hamas”, escreveu Ben-Gvir.

Ministro integrou grupo terrorista

Itamar Ben-Gvir

Itamar Ben-Gvir é conhecido por ter feito parte do hoje banido partido Kach, considerado terrorista pelos EUA até 2022 por sua defesa dos colonos na Cisjordânia e, mais recentemente, por apresentar planos para a reocupação israelense de Gaza. Em artigo de 2022, o jornal americano The New York Times o definiu como um “extremista perigoso”.

Ben-Gvir virou ministro em 2022, quando Netanyahu montou um gabinete de extrema-direita como o país nunca tinha visto. Bezalel Smotrich, das Finanças, também defende a expulsão dos palestinos de Gaza.

Além disso, Ben-Gvir pretende limitar a entrada de árabes-israelenses e vetar todos os palestinos moradores da Cisjordânia na Esplanada das Mesquitas, um dos locais mais sagrados para o islamismo, durante o mês sagrado do Ramadã, que começa no dia 10 de março.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail