ICL Notícias

Elisama Arnaud sempre esteve próxima ao universo do Carnaval. Quando pequena, ouvia, de casa, em Madureira, zona norte do Rio de Janeiro, os ensaios da tradicional escola Império Serrano. A dona de casa e artista plástica de 59 anos só não imaginava que um dia se tornaria uma das protagonistas do Loucura Suburbana, bloco carnavalesco do Instituto Municipal Nise da Silveira que, desde 2001, rompeu os muros do antigo Hospital Psiquiátrico Pedro II e desfila pelas ruas do Engenho de Dentro, sempre às quintas-feiras, antes do início oficial da folia — no Brasil existem outros blocos inclusivos (veja abaixo).

“Surgiu um novo mundo, porque eu só vivia com as coisas da minha casa. Quando o bloco saiu, eu tive contato com o mundo, com as pessoas que moravam do meu lado, com meus vizinhos. Foi um impacto quando eles me viram no bloco. Disseram, ‘ai, meu Deus, olha a Elisama ali vestida de porta-bandeira no bloco de maluquinhos'”, recorda ela, que, antes de desfilar como porta-bandeira do Loucura Suburbana, em 2005, participava das atividades do Ateliê de Adereços, Fantasias e Moda do Instituto.

É de Elisama Arnaud, por sinal, o enredo de 2024, que homenageia a pintora mexicana Frida Kahlo. É dela também a assinatura do desenho que estampa a camisa do bloco — ela venceu pela terceira vez seguida o concurso. Não à toa, a artista plástica vai desfilar hoje devidamente fantasiada da “mulher além do seu tempo”.

“A Frida bateu muito forte dentro de mim. Era uma mulher além do seu tempo. Mesmo na dificuldade, tinha a arte, que mexia muito com ela. A arte salvou a Frida. A arte é uma forma de libertação, mexe comigo tanto para libertar como para mostrar também que tudo é possível”, destaca Elisama — em 2016, a artista plástica ganhou a disputa do samba do bloco.

INSTITUTO

A arte como uma forma de libertação entrou na vida de Elisama Arnaud em 1998, quando ela começou tratamento no Instituto Municipal Nise da Silveira. Lá, participava de diversas atividades terapêuticas, todas preconizadas pela psiquiatra Nise da Silveira, que criou o Museu de Imagens do Inconsciente, com obras de pacientes do antigo Centro Psiquiátrico Nacional de Engenho de Dentro.

Uma das fundadoras do Loucura Suburbana, a psicóloga Ariadne de Moura Mendes destaca que o bloco alia folia e saúde mental, com o objetivo de combater o preconceito, além de ser uma celebração dos trabalhos realizados ao longo do ano na instituição. O Instituto, por sinal, oferece, além do ateliê de adereços e fantasias, oficinas de percussão — com a bateria Insandecida, do próprio bloco — e de música, e tem ainda a Encantarte Editora.

“A ideia do bloco surgiu dos próprios pacientes que frequentam o ambulatório e faz parte de um processo de desconstrução do modelo asilar, de internamento. Rompemos os muros do hospício e resgatamos o Carnaval de rua do Engenho de Dentro, reunindo usuários, familiares e funcionários, tendo como motivação a maior festa popular brasileira. Desde então, abre a folia do bairro e transformando o preconceito contra a loucura em admiração, respeito e desejo de integração”, diz Ariadne.

INCLUSÃO

O Rio de Janeiro tem ainda outros blocos que promovem a inclusão de pessoas com problemas psiquiátricos. É o caso do Zona Mental, Império Colonial e o Tá Pirando, Pirado, Pirou! — todos, no entanto, desfilaram na última semana.

Além deles, há ainda outros blocos carnavalescos inclusivos. Um deles é o Gargalhada, que desfila em Vila Isabel, na zona norte carioca.

Na terra de Noel Rosa, o Gargalhada, criado em 2005, tem a participação de surdos, cegos, cadeirantes, pessoas com Síndrome de Down e autistas.

Já Bloco Exagerado, que homenageia o cantor e compositor Cazuza, e terá como tema “Bete Balanço”, música que completa 40 anos, estará na Praça Tiradentes, no Centro do Rio. Pela primeira vez, vai contar com espaço reservado para cadeirantes e intérpretes de Libras.

Em Pelotas, no Rio Grande do Sul, o bloco Os 100 Limites vai para o quarto desfile e traz pessoas com câncer e com qualquer tipo de deficiência — autistas, cegos e com Down.

Em Osasco, na Grande São Paulo, o bloco Cores em Você vai reunir pessoas com deficiência física e intelectual. Já Belo Horizonte, o bloco Todo Mundo Cabe No Mundo vai tomar as ruas do bairro Santa Efigênia.

SERVIÇO

  • Loucura Suburbana
    Desfile: 8/2, às 16h.
    Local: Instituto Nise da Silveira, Rua Ramiro Magalhães, 521, Engenho de Dentro (RJ).
  • Exagerado
    Desfile: 12/2, às 8h.
    Local: Praça Tiradentes, Centro, RJ.
  • Bloco Gargalhada
    Desfile: 11/2, às 16h.
    Local: Boulevard 28 de Setembro, Vila Isabel (RJ).
  • Os 100 Limites
    Desfiles: 10 e 12 de fevereiro, às 20h.
    Local: Avenida Rio Grande, Pelotas (RS).
  • Cores em Você
    Desfile: 9/2, às 12h.
    Local: Praça Antônio Alberto Garcia, Osasco (SP).
  • Todo Mundo Cabe No Mundo
    Desfile: 13/2, às 10h30.
    Local: Rua Piauí, Belo Horizonte (MG).

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail