ICL Notícias

Campanha de vacinação contra a gripe na Região Norte será prorrogada até fevereiro

Objetivo é imunizar público-alvo para enfrentar inverno amazônico, período com maior circulação viral
16 de dezembro de 2023

O Ministério da Saúde vai prorrogar a vacinação contra a gripe na Região Norte. A ação, que encerraria ontem, será estendida até 29 de fevereiro de 2024 nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. O objetivo é imunizar o público-alvo para enfrentar o inverno amazônico, período com maior circulação viral e de transmissão da gripe.

A pasta enviou sete milhões de doses da vacina influenza trivalente e a estimativa é que 6,6 milhões de pessoas sejam imunizadas. Até agora, foram aplicadas 717 mil doses nos setes estados da região.

Crianças que vão receber o imunizante pela primeira vez deverão tomar duas doses, com um intervalo de 30 dias. O Ministério da Saúde reforça que o imunizante pode ser administrado simultaneamente com outras vacinas do calendário nacional.

Em 2023, até o mês de outubro, foram registrados 11.749 casos de influenza e 1.117 óbitos pela doença no país, sendo 631 casos e 88 óbitos na Região Norte.

A vacina é segura e protege contra os três principais vírus em circulação no Brasil durante o inverno. A fabricação é feita com vírus inativados, fragmentados e purificados, ou seja, não há risco de induzir a doença.

ESTRATÉGIA INÉDITA 

A antecipação da vacinação na Região Norte, que tradicionalmente é realizada em todo o Brasil entre os meses de abril e maio, faz parte da estratégia de microplanejamento realizada pelo Ministério da Saúde, em conjunto com estados e municípios. O objetivo respeitar as diversidades regionais.

Entre as estratégias que podem ser adotadas com o microplanejamento pelos municípios, estão a realização do Dia D de Vacinação, busca ativa de não vacinados, vacinação nas escolas e além das unidades de saúde, checagem da caderneta de imunização e intensificação da campanha em áreas indígenas, entre outros.

PODEM SE VACINAR: 

  • Crianças de 6 meses a menores de 6 anos;
  • Trabalhadores da Saúde
  • Gestantes;
  • Puérperas;
  • Professores dos ensinos básico e superior;
  • Indígenas;
  • Idosos com 60 anos ou mais;
  • Pessoas em situação de rua;
  • Profissionais das forças de segurança e de salvamento, e das Forças Armadas;
  • Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (independentemente da idade);
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Caminhoneiros;
  • Trabalhadores do transporte rodoviário coletivo (urbano e de longo curso) e portuários;
  • Funcionários do sistema de privação de liberdade;
  • População privada de liberdade, inclusive adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas.

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail