ICL Notícias

Comandante da FAB defende punição a militares se comprovada tentativa de golpe

Para tenente-brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno, investigação da Polícia Federal deve ser completa
12 de fevereiro de 2024

O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno, garantiu que, caso fique comprovada a participação na tentativa de golpe de Estado, os militares da tropa serão punidos. Em entrevista ao jornal O Globo, ele defendeu a necessidade de uma investigação completa da Polícia Federal.

“Qualquer coisa que fira nossos diplomas disciplinares será punida. O Comando da Aeronáutica coaduna com a necessidade de uma investigação completa, garantindo a ampla defesa e o contraditório a todos os envolvidos, seguindo o necessário rito processual previsto no ordenamento jurídico vigente”, afirmou Damasceno.

O tenente-brigadeiro destacou que até o momento não tem conhecimento da participação de militares da ativa nos ataques de 8 de janeiro de 2023. Segundo ele, “se existe alguma investigação na Justiça, o comando da FAB ainda não foi informado”.

Damasceno acrescentou também que não tem conhecimento da reunião, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, para discutir atos antidemocráticos.

“Não tivemos informação nenhuma. Não sabia do que acontecia dentro do Palácio [do Planalto]. A Força Aérea foi profissional, focada na sua missão. Nessa mesa aqui [do Alto Comando] não se falava de política”, disse o tenente-brigadeiro.

Segundo ele, a posição da FAB foi de “isenção em relação ao governo Bolsonaro”. “Tivemos uma visão de Estado e devemos isso às posições de nossos ex-comandantes. Mas não dá para fugir da relação com o governo”, acrescentou.

LULA

O tenente-brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno afirmou ainda que não há desconfianças entre a FAB e o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não temos desconfiança de nada. Há uma grande confiança entre os dez do Alto Comando. Temos que trabalhar em apoio ao governo. Não tive nenhum movimento dentro da Força em que tivesse que tomar medida disciplinar por conta do momento político”, destacou.

Damasceno lembrou ainda que o papel dos militares não é se envolver diretamente com a política, uma vez que são “Força de Estado”.

“Mas temos que apoiar a política do momento. Não podemos deixar de ser felizes por quatro anos, esperando que o candidato A ou B se reeleja ou se eleja. A nossa atividade independe de governo. Somos Força de Estado”, disse o comandante.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail