ICL Notícias

Gaza: OMS alerta que doenças poderão matar mais do que bombardeios israelenses

Segundo Organização Mundial da Saúde, número de casos de diarreia em crianças com menos de cinco anos é, hoje, 100 vezes maior do que registrado no começo do mês
29 de novembro de 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou ontem que surtos de doenças podem vir a matar mais do que os bombardeios israelenses à Faixa de Gaza. O alerta foi feito pela porta-voz Margaret Harris.

“Eventualmente, veremos mais pessoas morrendo de doenças do que de bombardeios se não formos capazes de reconstruir o sistema de saúde. É uma tragédia”, disse Margaret Harris.

Segundo ela, a principal preocupação é com doenças infecciosas e gastrointestinais, além de diarreias. Isso porque o sistema de saneamento de diversas regiões da Faixa de Gaza foram destruídos pelos ataques de Israel.

Margaret Harris afirmou que o número de casos de diarreia em crianças com menos de cinco anos é, hoje, 100 vezes maior do que o registrado no começo do mês. Ela também apontou que a OMS registou mais de 44 mil casos de diarreia e 70 mil infecções respiratórias agudas.

“Não há medicamentos e vacinas, e não há acesso à água potável e higiene. Faltam alimentos. É preciso incrementar o envio de ajuda humanitária ao território palestino”, acrescentou a porta-voz da OMS.

De acordo com Margaret Harris, a tendência é piorar. Com a chegada do inverno, chuvas e inundações poderão agravar ainda mais “uma situação já terrível”.

SISTEMA DE SAÚDE

Relatório da ONU aponta que apenas cinco hospitais operam de maneira parcial no Norte da Faixa de Gaza — no Sul são oito unidades. Mesmo assim, somente um deles tem recursos para realizar operações complexas e tratar casos mais graves.

“Em todo lugar, médicos estão tendo que fazer decisões horríveis sobre quem eles vão priorizar”, disse James Elder, porta-voz do Unicef. Ele acrescenta que “os corredores estão lotados com crianças com ferimentos graves e com sintomas de doenças infecciosas, e operações ocorrem muitas vezes sem anestesia”.

 

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail