ICL Notícias

GM oferece carro e salário extra para demitir 1,2 mil funcionários em SP

Intenção da empresa é demitir funcionários em São José dos Campos, São Caetano do Sul e Mogi das Cruzes
5 de dezembro de 2023

A General Motors (GM) inicia, nesta terça-feira (5), um PDV (Programa de Demissão Voluntária) com a meta de desligar cerca de 1.200 funcionários das três fábricas da empresa em São Paulo. A proposta para a demissão em massa vem depois que uma decisão da Justiça do Trabalho proibiu que a companhia desligasse um número parecido de funcionários, no fim de outubro.

Aprovado na sexta-feira (1º), o PDV foi negociado com os sindicatos das três fábricas da GM. Os funcionários podem entrar no programa até o dia 12 de dezembro, e a proposta reúne uma série de benefícios, além das verbas rescisórias previstas em lei.

Em novembro, os trabalhadores das três fábricas da GM fizeram greve de 17 dias. A paralisação se estendeu até a montadora aceitar pagar os dias parados e licença remunerada para aqueles que tinham sido demitidos.

A meta da General Motors, como revela o site UOL, é desligar cerca de 840 dos 4.000 trabalhadores em São José dos Campos; 290 de 4.300 funcionários em São Caetano do Sul; e 95 de 480 empregados em Mogi das Cruzes, que fabrica autopeças e componentes de reposição.

Segundo Weller Gonçalves, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, onde atualmente são fabricados os modelos Chevrolet S10 e Trailblazer, as condições do PDV são as mesmas para as três fábricas.

Podem participar do programa tanto os funcionários cuja demissão foi suspensa – e hoje estão em licença remunerada – quanto os trabalhadores que estão em atividade.

As condições oferecidas pela GM são as seguintes:

  • Seis meses de salário, adicional de R$ 15 mil e plano médico por três meses ou R$ 6.000 para trabalhadores que tenham de um a seis anos de empresa;
  • Cinco meses de salário, um Chevrolet Onix Hatch LS ou R$ 85 mil e plano médico por seis meses ou R$ 12 mil para trabalhadores que tenham sete anos ou mais de empresa;
  • Estabilidade no emprego até 3 de maio de 2024 para quem não aderir ao PDV;
  • Para cada adesão de trabalhador ativo na fábrica, haverá retorno de outro trabalhador em licença remunerada;
  • Compensação de 50% até 30 de junho de 2024, de acordo com a necessidade de produção, em relação aos dias parados durante a greve.

O que diz a GM?

A GM afirma que as demissões são necessárias devido à queda nas vendas e nas exportações de veículos.

Em nota enviada ao UOL, a empresa acrescenta que “os empregados da General Motors das fábricas de São Caetano do Sul, São José dos Campos e Mogi das Cruzes aceitaram a proposta da empresa de um programa de desligamento voluntário, após assembleias realizadas pelos sindicatos dos metalúrgicos das respectivas unidades”.

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail