ICL Notícias

A história da Maria da Penha Maia Fernandes não é apenas sobre resistência. É também um capítulo decisivo na luta feminista no Brasil. Sua batalha contra a violência doméstica, após sobreviver a tentativas brutais de assassinato por parte de seu ex-marido, inspirou a criação da Lei Maria da Penha.

Confrontada com um sistema judiciário que a princípio pareceu mais um obstáculo do que um meio de obtenção de justiça, Maria da Penha encontrou dentro de si a coragem para lutar não apenas pela sua própria causa, mas também em nome de suas filhas e todas as outras mulheres que, tragicamente, não sobrevivem à violência.

Em sua jornada, Maria da Penha encontrou apoio em ativistas, organizações dedicadas aos direitos das mulheres e uma ampla rede de solidariedade internacional. Este suporte coletivo se tornou fundamental na luta que levou à criação da Lei nº 11.340/2006, que hoje protege milhares de mulheres.

Sua história não é somente um relato de sobrevivência, mas um símbolo da capacidade de transformar dor em mobilização por justiça.

Neste artigo vamos explorar a biografia de Maria da Penha e o legado de sua vitória, tanto em termos legais quanto na consciência social. Uma coisa é certa: ela inspirou uma mudança significativa na maneira como a violência contra a mulher é combatida e prevenida no Brasil.

Quem é Maria da Penha?

Maria da Penha Maia Fernandes, nascida em Fortaleza-CE em 1º de fevereiro de 1945, é uma figura emblemática na luta contra a violência doméstica no Brasil.

Formada em farmácia bioquímica pela Universidade Federal do Ceará e mestre em Parasitologia pelas Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, sua vida tomou um rumo inesperado que a transformou em um símbolo nacional de resistência e justiça para mulheres vítimas de violência.

Trajetória de luta

A história da Maria da Penha representa a batalha contra a violência doméstica que milhares de mulheres enfrentam diariamente. Sua própria experiência com a violência, que incluiu tentativas de homicídio por parte de seu ex-marido, a paralisou fisicamente, mas jamais quebrou seu espírito de luta.

Seu caso, que durou mais de 19 anos nos tribunais, destaca a persistência e a coragem de uma mulher frente a um sistema muitas vezes lento e ineficaz.

Legado e atuação

Maria da Penha e o livro “Sobrevivi… posso contar”.

Maria da Penha e o livro “Sobrevivi… posso contar”. Foto: TJMT Agosto/2019

Além de dar nome à Lei nº 11.340/2006, Maria da Penha é autora do livro “Sobrevivi… posso contar”, publicado em 1994, onde narra suas vivências e o processo judicial que enfrentou.

Ademais, em 2009, ela fundou o Instituto Maria da Penha, uma organização que se dedica a promover os direitos das mulheres e combater a violência doméstica através de educação, conscientização e ações legais.

Maria da Penha não apenas sobreviveu à violência, mas usou sua voz e sua história para provocar mudanças significativas na legislação brasileira e na consciência social sobre a violência de gênero.

Aos recém completados 79 anos de idade, Maria da Penha continua dando palestras e contribuindo para o debate sobre a violência contra as mulheres, tanto no Brasil quanto internacionalmente.

O relacionamento com Marco Antonio Heredia

Maria da Penha Maia Fernandes e Marco Antonio Heredia Viveros, um economista colombiano, cruzaram caminhos na Universidade de São Paulo, local onde os dois faziam mestrado.

Inicialmente, Marco Antonio se mostrou uma pessoa extremamente amável e prestativa, qualidades que fizeram com que Maria da Penha se apaixonasse. O namoro logo evoluiu para casamento, e com o tempo, os dois se tornaram pais de uma menina.

Após a conclusão dos estudos, os dois decidiram estabelecer sua vida em Fortaleza, cidade natal de Maria da Penha e, lá, tiveram outras duas filhas.

Mudança de comportamento

A mudança de Marco Antonio de um companheiro amável para uma pessoa violenta foi drástica e chocante. O nascimento das meninas o possibilitou obter a cidadania brasileira e alcançar uma estabilidade profissional e econômica.

A mudança de comportamento de Marco Antonio veio após a naturalização e foi drástica e alarmante. De parceiro amoroso, tornou-se agressor, manifestando intolerância, exaltação fácil e comportamentos explosivos não apenas contra Maria da Penha, mas também contra suas filhas.

Essa transformação marcou o início de um período sombrio na vida de Maria da Penha, caracterizado por medo, tensão e violência.

Descrição das tentativas de assassinato por seu marido

A trajetória de Maria da Penha Maia Fernandes é marcada por uma luta intensa pela sobrevivência e justiça. Suas experiências trágicas são fundamentais para a compreensão da gravidade da violência contra a mulher e a necessidade urgente de medidas legais mais rigorosas.

Primeira tentativa: o tiro

Na tranquilidade de sua casa, em 1983, a vida de Maria da Penha foi abruptamente transformada. Enquanto repousava, um som ensurdecedor ecoou pelo quarto: um disparo feito por Marco Antonio, seu então marido. A bala atingiu-a nas costas, deixando-a paraplégica.

Este momento não apenas alterou fisicamente a vida de Maria da Penha, mas também sinalizou o começo de uma incansável jornada em busca de justiça e proteção para si e para todas as mulheres que sofrem violência doméstica.

Após o incidente, Marco Antonio tentou encobrir o ato violento alegando que o tiro havia sido disparado por um ladrão em uma tentativa de assalto à casa dos dois, uma narrativa que posteriormente foi desmascarada.

Segunda tentativa: o banho

Após meses de recuperação e com Maria da Penha ainda vulnerável devido às sequelas do tiro, Marco Antonio planejou um segundo atentado contra sua vida. Desta vez, tentou eletrocutá-la durante o banho, um ato de traição que revela a profundidade de sua crueldade.

Este segundo ataque só reforçou a determinação de Maria da Penha em lutar contra a violência doméstica e buscar justiça, não apenas para si, mas para todas as mulheres vítimas de agressões semelhantes.

 

Maria da Penha conta sua história de vida e relembra agressões. Fonte: Programa do Porchat/ Record TV

O longo e doloroso processo judicial

Maria da Penha enfrentou um longo e árduo caminho na busca por justiça após ser vítima de duas tentativas de assassinato por parte de seu ex-marido. Sua jornada não apenas expõe a violência doméstica brutal que sofreu, mas também destaca a luta contra a impunidade e a negligência judiciária que marcam muitos casos similares.

O início do processo judicial

Após sobreviver a duas tentativas de assassinato, Maria da Penha não encontrou repouso. Em vez disso, mergulhou em uma batalha legal que se arrastou por 19 anos.

O primeiro julgamento de seu agressor só aconteceu em 1991, oito anos após o crime, resultando em uma condenação de 15 anos de prisão. No entanto, graças a uma série de recursos legais, ele foi capaz de permanecer em liberdade, expondo as falhas e a lentidão do sistema judiciário brasileiro em lidar com casos de violência doméstica.

História da Maria da Penha: ela própria conta.

Recusando-se a ser silenciada, Maria da Penha tomou a decisiva atitude de publicar o livro “Sobrevivi… posso contar”, detalhando não apenas as atrocidades que sofreu, mas também as numerosas barreiras que enfrentou no sistema judiciário.

Este livro não apenas trouxe atenção nacional e internacional para o seu caso, mas também se tornou um símbolo da luta contra a violência doméstica.

Como Maria da Penha reconstruiu sua vida após sofrer tentativa de feminicídio? Fonte: Roda Viva/ TV Cultura

A intervenção internacional

A persistência de Maria da Penha e o apoio de organizações como o Centro pela Justiça e o Direito Internacional (CEJIL) e Comitê Latino-americano e do Caribe pelos Direitos da Mulher (CLADEM), levaram seu caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), denunciando o Brasil por negligência e omissão em seu caso e em muitos outros semelhantes.

Este passo elevou o caso a uma plataforma internacional, culminando na responsabilização do Estado brasileiro, em 2001, por negligência, omissão e tolerância em relação à violência doméstica contra mulheres.

A CIDH emitiu recomendações específicas ao Brasil, exigindo uma reforma no tratamento de casos de violência doméstica e a implementação de medidas para proteger as mulheres:

  1. Conclusão eficaz do processo penal: a CIDH solicitou que o Brasil finalizasse com rapidez e eficácia o processo penal contra o agressor de Maria da Penha, garantindo justiça à vítima.
  2. Investigação das irregularidades: o órgão recomendou uma investigação rigorosa e imparcial para identificar e corrigir as falhas e atrasos no sistema judiciário que prejudicaram o caso de Maria da Penha.
  3. Reparação à vítima: foi solicitado que o Estado brasileiro fornecesse reparação simbólica e material a Maria da Penha, compensando-a pelas falhas do sistema judiciário e pelo prolongado período de impunidade.
  4. Reformas sistemáticas: a CIDH enfatizou a necessidade de reformas profundas para erradicar a tolerância estatal perante a violência doméstica. Essas reformas deveriam incluir treinamento para funcionários judiciais e policiais, simplificação dos processos judiciais para agilizar os casos de violência doméstica, criação de alternativas para resolução de conflitos intrafamiliares, ampliação do número de delegacias especializadas em direitos da mulher, e a inclusão de conteúdos educativos sobre o respeito à mulher e seus direitos nas escolas.

Impacto das recomendações: Lei Maria da Penha

Estas diretrizes não apenas apontaram as falhas do Brasil em proteger as mulheres contra a violência, mas também pavimentaram o caminho para a criação de políticas públicas mais eficazes.

A intervenção da CIDH foi um marco na luta contra a violência doméstica no Brasil, influenciando diretamente a criação da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), uma legislação pioneira no combate à violência contra as mulheres no Brasil.

“A Lei Maria da Penha é uma ação afirmativa de enfrentamento a uma condição histórica de violência, discriminação e opressão das mulheres somente pelo fato de serem mulheres. Costumo dizer que a lei que leva o meu nome veio para resgatar a dignidade da mulher brasileira.”

Maria da Penha – Instituto Maria da Penha

A história da Maria da Penha ressalta a importância da resiliência individual diante de adversidades e a capacidade de provocar mudanças significativas na sociedade e no sistema legal.

Através de suas próprias palavras e ações, Maria da Penha transformou sua experiência traumática em um incentivo ao avanço dos direitos das mulheres no Brasil, deixando um legado de esperança e mudança para futuras gerações.

Além da Lei – o legado de Maria da Penha

A história da Maria da Penha não se limita à tragédia pessoal que viveu, transformando-se em um símbolo de resistência e mudança na luta contra a violência doméstica no Brasil.

Sua jornada, da vítima à ativista, resultou em avanços significativos na legislação e na conscientização sobre a violência contra mulheres, refletindo seu impacto duradouro na sociedade brasileira.

Fundação do Instituto Maria da Penha

Em sua missão de promover a conscientização e apoiar mulheres vítimas de violência, Maria da Penha fundou o Instituto Maria da Penha (IMP).

Esta organização não governamental e sem fins lucrativos trabalha incansavelmente para educar a sociedade sobre a violência doméstica e familiar, oferecendo também recursos e apoio às mulheres afetadas.

O IMP se destaca pela defesa dos direitos das mulheres e pela promoção de políticas públicas efetivas para o enfrentamento à violência de gênero.

Reunião da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA, com o Instituto Maria da Penha, CEJIL, CLADEM e o Estado Brasileiro, sobre as Recomendações do Caso 12.051 - Maria da Penha x Brasil.

Reunião da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA, com o Instituto Maria da Penha, CEJIL, CLADEM e o Estado Brasileiro, sobre as Recomendações do Caso 12.051 – Maria da Penha x Brasil. Foto: IMP Maio/2023

Seu papel como ativista e porta-voz contra a violência doméstica

Maria da Penha transcendeu sua experiência pessoal para tornar-se uma das principais vozes na luta contra a violência doméstica no Brasil. Sua história inspira mulheres a buscar justiça e proteção, além de elevar a conscientização pública sobre as nuances da violência de gênero.

Por meio de palestras, participações em seminários e entrevistas, Maria da Penha utiliza sua experiência pessoal para educar a sociedade sobre a importância da implementação efetiva da lei que leva seu nome e sobre a necessidade de mudanças culturais para erradicar a violência contra a mulher.

Reconhecimentos e prêmios

O trabalho e a dedicação de Maria da Penha não passaram despercebidos. Ela foi homenageada com diversos prêmios e reconhecimentos, tanto no Brasil quanto internacionalmente:

  • Diploma Bertha Lutz – 2005
  • Ordem de Rio Branco − 2009
  • International Women of Courage Award − 2010
  • Orden de Isabel la Católica − 2011
  • TEDx Fortaleza − 2012
  • Prêmio Direitos Humanos − 2013
  • Medalha da Abolição − 2015
  • Prêmio Franco-alemão de Direitos Humanos e do Estado de Direito − 2016
  • Sereia de Ouro – 2017
  • Indicação ao Prêmio Nobel da Paz − 2017
  • Grande-Colar do Mérito do Tribunal de Contas da União − 2018

Estas homenagens refletem o reconhecimento da sua luta incansável pelos direitos das mulheres e sua contribuição significativa para a mudança cultural e legislativa em relação à violência doméstica.

Impacto e conscientização pós-Lei Maria da Penha

Desde a implementação da Lei Maria da Penha, o Brasil viu um aumento expressivo nas denúncias de violência doméstica, evidenciando tanto a eficácia da lei em encorajar as mulheres a virem à frente quanto a necessidade contínua de sua aplicação rigorosa.

Em 2022 a Lei foi atualizada e, agora, abrange diversas formas de violência, indo além da física, incluindo a psicológica, moral, sexual e patrimonial. Essa mudança amplia o entendimento e a proteção contra a violência de gênero. Você pode ver um resumo da Lei Maria da Penha no site do IMP.

A conscientização sobre a violência doméstica e a educação, especialmente entre os jovens, são pilares centrais do trabalho do Instituto Maria da Penha. Em parceria com instituições educacionais, o IMP promove programas de educação que visam desmistificar e combater a violência de gênero desde cedo.

Desafios atuais e perspectivas futuras

A história da Maria da Penha e a lei que leva seu nome são marcos importantes na luta contra a violência doméstica no Brasil. No entanto, a batalha está longe de terminar.

Há alguns anos, e principalmente após o fortalecimento da extrema-direita no Brasil, Maria da Penha tem sido alvo de desinformação e ataques nas redes sociais, com falsas alegações buscando deturpar os fatos reais que levaram à criação da Lei 11.340/2006.

Essas ações maliciosas não apenas ofendem a dignidade de Maria da Penha, mas também tentam minar os avanços no combate à violência contra as mulheres.

A propagação de falsas narrativas

Os ataques à Lei Maria da Penha, provenientes de setores da extrema-direita, representam um esforço concertado para desacreditar uma das legislações mais importantes do Brasil no combate à violência doméstica e familiar contra as mulheres.

Através de desinformação e narrativas falsas, esses ataques buscam minar a eficácia e a legitimidade da lei, questionando os fundamentos de sua criação e a realidade da violência doméstica no país. Essa campanha de desinformação frequentemente se manifesta na forma de teorias da conspiração e alegações infundadas que distorcem os fatos históricos por trás do caso de Maria da Penha.

A extrema-direita utiliza plataformas digitais, redes sociais e até produções de conteúdo, como documentários, para espalhar essas falsidades, visando confundir a opinião pública e enfraquecer as políticas de proteção às mulheres.

As mentiras do agressor

Um exemplo específico desses ataques foi a produção e divulgação de um documentário pelo canal Brasil Paralelo, em 2023, que contestava a narrativa oficial dos eventos que levaram à criação da Lei Maria da Penha.

Ao dar voz ao agressor e questionar a veracidade da história de Maria da Penha, esse documentário alimentou a desinformação e incentivou novos ataques, não apenas contra ela, mas também contra outras mulheres, como Ana Hickmann, que recentemente teve coragem de expor as agressões e abusos de seu ex-marido, Alexandre Correa.

Essa disseminação de inverdades não apenas desrespeita a luta e a dor das vítimas de violência doméstica, mas também representa um risco para os avanços sociais e legais conquistados na proteção das mulheres.

Contra esses ataques, é essencial fortalecer a educação e a conscientização sobre a importância da Lei Maria da Penha, reafirmando sua relevância e efetividade na prevenção e no combate à violência contra as mulheres no Brasil.

Resistência às propostas da extrema-direita

Propostas polêmicas, como a sugestão de armar mulheres para autodefesa, contradizem diretamente as orientações de especialistas e a experiência vivida por Maria da Penha.

É essencial desmistificar as falsas narrativas, reafirmando a importância da Lei Maria da Penha como ferramenta de proteção às mulheres e como avanço na legislação brasileira. A necessidade, segundo a mesma, é de políticas públicas efetivas e não da promoção de medidas que possam escalar a violência.

Por ela e por todas

A cada hora, mulheres em todo o país buscam medidas protetivas. Informações atualizadas, divulgadas pela Agência Senado, indicam que mais de 25,4 milhões de mulheres no Brasil já experienciaram violência doméstica realizada por homens ao longo de suas vidas.

A análise revela que a violência de natureza psicológica prevalece (89%), seguida de perto por violência moral (77%), física (76%), patrimonial (34%) e sexual (25%). Mais da metade das vítimas (52%) afirmaram ter sido agredidas por seus maridos ou parceiros atuais, enquanto 15% indicaram ter sofrido violência de ex-maridos, ex-namorados ou ex-parceiros.

O aumento nas denúncias reflete tanto a persistência da violência quanto a crescente conscientização e recusa das mulheres em permanecerem em silêncio.

Conclusão

O legado de Maria da Penha é um testemunho da força e da coragem necessárias para enfrentar e superar a violência. A Lei que leva seu nome é uma das mais importantes para a proteção contra a violência doméstica e não apenas simboliza uma vitória contra a impunidade, mas também nos lembra da importância da luta contínua por justiça, igualdade e uma vida livre de violência para todas as mulheres.

Para perpetuar o legado de Maria da Penha, é necessário manter esforços constantes, implementar políticas públicas adequadas e promover uma cultura de não violência. Assim, poderemos assegurar um futuro com mais defesa e segurança para todas as mulheres.

Veja a série do ICL sobre Maria da Penha, Marielle Franco e Paulo Freire.
ICL Máquina de Moer Reputações

Como funcionam as estratégias da extrema-direita para destruir reputações e perseguir opositores? Veja em uma série exclusiva ICL, com 4 episódios.

Este evento online é exclusivo para membros do ICL. Clique aqui para acessar a área de membros e assistir

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail