ICL Notícias

Israel prende diretor e médicos do maior hospital de Gaza e manda evacuar outra unidade

O célebre Hospital Al Shifa, cujo nome se traduz como “Casa da Cura”, foi descrito como o coração pulsante de Gaza
23 de novembro de 2023

O diretor do Hospital Al-Shifa na cidade de Gaza foi preso pelas forças israelenses junto com vários outros profissionais médicos. “O médico Mohammad Abu Salmiya foi preso junto com vários outros médicos seniores”, disse Khalid Abu Samra, chefe do departamento do hospital, à agência de notícias AFP.

A Autoridade de Radiodifusão de Israel também confirmou a prisão.

As forças israelenses alegaram que o maior hospital de Gaza foi usado como centro de comando pelo Hamas antes de ser ocupado, sem fornecer provas.

Cenas brutais ocorreram no hospital este mês, com forças israelenses sitiando e invadindo o complexo médico. Os atiradores passaram dias atirando em qualquer pessoa que tentasse passar de um prédio médico para outro, gerando protestos internacionais.

Al-Shifa é visto como um centro nevrálgico dos órgãos administrativos do governo de Gaza. Funcionários do Ministério da Saúde deram coletivas de imprensa rodeados de corpos e o Ministério da Comunicação Social do governo funcionou a partir do hospital.

O célebre Hospital Al Shifa, cujo nome se traduz como “Casa da Cura”, foi descrito como o coração pulsante de Gaza.

Para alguns palestinos, a unidade tornou-se um símbolo de força e de resistência a uma força militarmente mais poderosa, que mostra pouca contenção. Imagens de bebés mortos e crianças mutiladas que foram transmitidas de dentro do hospital para o mundo inspiraram muitos milhões de pessoas a sair às ruas em apoio aos palestinianos.

ORDEM PARA EVACUAR HOSPITAL INDONÉSIO

Munir al-Bursh, o diretor-geral do Ministério da Saúde de Gaza que está dentro do Hospital Indonésio, diz que o exército israelense alertou as pessoas nas instalações para evacuá-las no prazo de quatro horas. Esse período se encerra às 10h (horário de Brasília)

Falando à Al Jazeera, ele disse que os bombardeios continuam em torno do hospital no norte de Gaza, vindos de todos os lados.

O diretor-geral do Ministério da Saúde de Gaza disse à emissora que há 65 cadáveres dentro das instalações médicas sitiadas que não podem ser enterrados.

Munir al-Bursh afirmou que restam cerca de 200 pacientes no Hospital Indonésio depois que cerca de 450 pacientes foram evacuados ontem.

Cada ambulância transporta até sete pessoas por vez, acrescentou.

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail