ICL Notícias

Justiça do DF rejeita decisão que livrou Flávio Bolsonaro em caso da mansão de R$ 6 mi

Desembargadores da 4ª Turma Cível do TJDFT determinaram que se peça ao filho 01 do ex-presidente Jair Bolsonaro que apresente documentos para obter empréstimo
28 de novembro de 2023

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) rejeitou sentença da primeira instância que livrou o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) no caso da compra de uma mansão no Lago Sul, bairro nobre de Brasília.

Conforme publicado à época, Flávio pagou R$ 6 milhões pela mansão, sendo que parte do dinheiro foi pago com um empréstimo de R$ 3,1 milhões com o Banco de Brasília (BRB).

Na decisão mais recente, de segunda instância, os desembargadores da 4ª Turma Cível do TJDFT determinaram que a Justiça peça ao filho 01 do ex-presidente Jair Bolsonaro os documentos usados por ele para comprovar a renda ao obter o empréstimo.

A decisão do TJDFT retoma as investigações sobre o caso, após recurso da deputada Érika Kokay (PT-DF) contra a decisão em primeira instância. Na ação, Kokay alega que a renda de Flávio e da esposa, Fernanda, de cerca de R$ 36 mil, e não seria suficiente para obter o empréstimo de R$ 3,1 milhões.

Segundo simulador do BRB, as parcelas mensais numa operação deste tipo ficariam em cerca de R$ 18 mil, ou seja, metade da renda do casal. A renda mínima para este tipo de operação, segundo o simulador, seria de R$ 46,8 mil.

A mansão comprada por Flávio Bolsonaro fica em uma área nobre de Brasília, no Setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul. A compra foi registrada pelo senador no dia 2 de fevereiro de 2021, pelo preço de R$ 5,97 milhões, em um cartório afastado do centro de Brasília.

A casa tem 1,1 mil metros quadrados de área construída e conta com quatro suítes amplas, academia, piscina e spa com aquecimento solar.

O que diz Flávio Bolsonaro

Em resposta, Flávio disse que sua renda não consistia apenas no salário de R$ 24 mil líquidos como congressista, uma vez que atuava também “como advogado, empresário e empreendedor, por muitos anos”.

A defesa do senador também disse à época que sua esposa se dedicava “ao exercício da odontologia há bastante tempo”. Na ação popular, a deputada pedia a anulação do empréstimo feito pelo BRB ao senador.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail