ICL Notícias
Cristina Serra

Paraense de Belém, jornalista e escritora. Formou-se em jornalismo na Universidade Federal Fluminense. Trabalhou nos jornais Resistência, Leia Livros, Jornal do Brasil, Folha de S. Paulo, revista Veja e Rede Globo. Tem quatro livros publicados. Atualmente, é comentarista do ICL Notícias.

Maceió, a cidade engolida pela Braskem

Devastação só pode ser explicada pela cumplicidade das autoridades
5 de dezembro de 2023

Estou em Maceió para acompanhar as consequências do maior desastre socioambiental em área urbana do mundo. Um escândalo que acompanho há tempos e que guarda inúmeras semelhanças com outras catástrofes provocadas pela mineração no Brasil, que tenho estudado e escrito a respeito.

São desastres tecnicamente diferentes, mas o pano de fundo político e institucional é o mesmo. Empresas com enorme poder econômico exploram recursos naturais de maneira predatória; põem em risco a vida das pessoas e o meio ambiente ao redor; calam as autoridades e a mídia com doações para campanhas, patrocínios etc. Políticos acumpliciados ignoram seu dever, fecham os olhos para ilegalidades e sucateiam, de propósito, os órgãos públicos que deveriam fiscalizar as empresas.

A sal-gema começou a ser explorada em Maceió na década de 1970 pela empresa com o mesmo nome do minério, mas escrita de forma diferente: Salgema. Depois de diversas mudanças societárias, em 2002 a operação foi absorvida pela petroquímica Braskem, pertencente à Odebrecht, hoje Novonor, a principal acionista (o grupo mudou de nome depois da Operação Lava Jato). A segunda maior acionista é a Petrobras.

A exploração de sal-gema foi um projeto de interesse da ditadura, enfiado goela abaixo dos maceioenses, apesar da oposição de boa parte da sociedade civil e de vários alertas de ambientalistas. O mais conhecido deles é o ecólogo alagoano José Geraldo Marques, pós-doutorado em Meio Ambiente pela Unicamp. Nos anos 1970, a convite do então governador Divaldo Suruagy, Marques ocupou a Secretaria de Controle da Poluição de Alagoas e alertou para a possibilidade de ocorrerem “subsidências” (afundamentos de solo) na região. Não foi ouvido, recebeu ameaças de morte e passou um bom tempo fora de Alagoas.

Enquanto isso, a Salgema foi instalada e fez o que bem entendeu. A sucessora Braskem manteve o modus operandi. O diâmetro das minas ultrapassou o padrão recomendado pela boa engenharia; a distância entre elas não foi respeitada. Cavernas gigantes foram escavadas sob os pés da população, alheia ao perigo que corria.

A exploração desenfreada de 35 minas preparou o cenário para o desastre que atinge cinco bairros e arredores. Há relatos de rachaduras em casas e prédios desde, pelo menos, 2010. Em março de 2018, um tremor abriu crateras em ruas e espalhou rachaduras nas moradias. Cinco bairros entraram na área de risco: Pinheiro, Bebedouro, Bom Parto, Mutange e Farol.

Cerca de 55 mil pessoas (14 mil famílias) começaram a ser deslocadas. Com medo de permanecer na área de risco, os moradores acabaram aceitando acordos com a Braskem, muitos sob protesto por considerarem as indenizações insuficientes. Além do mais, ao firmar o acordo, cada morador tinha que transferir a propriedade do imóvel para a Braskem.

Hoje, grande parte desses imóveis foi demolida e outra parte está em ruínas, o que dá um aspecto de “Chernobyl alagoana” a essa parte de Maceió. Houve um enorme impacto na saúde mental dos atingidos, inclusive com o registro de suicídios relacionados ao desastre. O comércio e uma infinidade de negócios locais quebraram por falta de clientela e trabalhadores perderam seus empregos.

De 2019 para cá, a empresa começou o processo de estabilização das minas. Um trabalho lento e complexo, com risco de provocar novos tremores e afundamentos do solo. Foi o que aconteceu durante o mês de novembro e que culminou com o alerta de colapso abrupto da mina 18, na semana passada. Parece que só então autoridades locais e federais e a mídia corporativa despertaram de um longo torpor. “Descobriram” da noite para o dia o crime da Braskem em Maceió.

Diante do risco de colapso, a justiça autorizou a retirada de famílias remanescentes sob coação policial e ameaça de prisão. São famílias que resistem até hoje a fechar os acordos por considerar injustos os valores oferecidos pela empresa.

As pessoas tiveram que deixar suas casas de madrugada, levando a roupa do corpo, e as residências foram lacradas. Foi mais uma violência numa sequência de arbitrariedades, corroboradas pelo poder público.

O que estou vendo em Maceió só reforça o que tenho dito desde o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, em 2015. A mineração no Brasil é uma máquina de moer gente.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail