ICL Notícias

Meta vai desativar ferramenta que detecta desinformação e notícias falsas

Gigante anunciou que CrowdTangle será substituído dia 14 de agosto. Especialistas criticam medida
2 de abril de 2024

A Meta anunciou que o CrowdTangle não estará mais disponível a partir de 14 de agosto. A ferramenta é considerada fundamental para o monitoramento de desinformação e a proliferação de notícias falsas nas redes sociais. A decisão gerou críticas de especialistas e acontece a menos de três meses das eleições nos Estados Unidos e de diversos outros pleitos ao redor do mundo.

Dona do Facebook e do Instagram, a Meta informou que vai substituir CrowdTangle pela Content Library, tecnologia que ainda está em desenvolvimento. No entanto, especialistas advertem que a troca poderá comprometer a segurança, uma vez que a substituta poderá não ter as mesmas funções e nem ficar disponível para as organizações jornalísticas.

“Em um ano em que quase metade da população mundial é chamada a votar, cortar o acesso ao CrowdTangle limitará severamente o monitoramento independente desses danos. Representa um revés perigoso para a transparência das plataformas de mídia social”, disse à AFP Melanie Smith, diretora de pesquisa do Instituto de Direitos Humanos (ISD).

Meta é dona do Facebook e do Instagram. Foto: Reprodução

Meta: ferramenta contra desinformação

Criado em 2016, nos últimos anos o CrowdTangle tem sido uma importante ferramenta para jornalistas e pesquisadores, ao permitir acompanhar a proliferação de teorias da conspiração e discursos de ódio em tempo real.

De acordo com o jornal O Globo, nas eleições de 2020, a Meta ofereceu a plataforma às autoridades eleitorais dos Estados Unidos para ajudar a combater a desinformação e as tentativas de impedir as pessoas de votar.

Para evitar a substituição da ferramenta, a Fundação Mozilla pediu à Meta, numa carta aberta, que mantivesse o CrowdTangle pelo menos até janeiro de 2025.

“Abandonar o CrowdTangle quando a Biblioteca de Conteúdo está faltando tantas de suas funções principais mina o princípio fundamental da transparência”, afirma a carta, assinada por dezenas de pesquisadores de tecnologia e grupos de vigilância

O porta-voz da Meta, Andy Stone, disse que a carta da Fundação Mozilla é “simplesmente errada” e que a Biblioteca de Conteúdo terá “dados mais completos que o CrowdTangle”, além de estar disponível para acadêmicos e organizações sem fins lucrativos especializadas em integridade eleitoral.

LEIA TAMBÉM

Meta: justiça dá 30 dias para multinacional dona do Facebook mudar nome no Brasil

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail