ICL Notícias

Na Cisjordânia, ‘onde não há guerra’, Israel matou 63 crianças palestinas e feriu 508

Dados constam no mais recente relatório da ONU (Ocha) sobre a situação na Palestina Histórica
3 de dezembro de 2023

Por Hugo Souza – Come Ananás

Desde o último 7 de outubro, dia do ataque do Hamas a Israel, 238 palestinos, 63 deles crianças, foram assassinados por militares ou colonos israelenses na Cisjordânia, ali onde não há trégua porque não há “guerra entre Israel e o Hamas” – expressão pusilânime imposta pelo Grupo Globo aos jornalistas da casa para chamar o assunto do genocídio palestino em Gaza sem chamá-lo pelo nome.

Deste 238 palestinos mortos, 229 foram assassinados pelo exército de Israel, oito por colonos israelenses e um em conjunto por sionistas militares e civis. O número de palestinos feridos na Cisjordânia desde o 7 de outubro já passa de três mil. Destes, pelo menos 508 são crianças.

Os dados constam no mais recente relatório do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha) sobre a situação na Palestina Histórica, publicado nesta quarta-feira, 29.

Nas últimas sete semanas, Israel mais que dobrou o número de suas vítimas na Cisjordânia em 2023 em relação aos nove primeiros meses do ano – o ano mais mortífero para os palestinos nos territórios ocupados desde 2005. Mais da metade dos 238 palestinos mortos na Cisjordânia desde 7 de outubro foram baleados em situações que não envolveram confrontos armados.

Numa palavra, foram executados.

Os casos de execução mais recentes são os dos meninos Adam Samer Othman Al-Ghoul, de oito anos, e Basel Suleiman Tawfiq Abu Al-Wafa, de 15, alvejados um na cabeça, outro no peito, nesta quarta-feira, 29, por militares israelenses que praticavam tiro aos “animais humanos” de dentro de um veículo blindado na cidade de Jenin, a terceira maior da Cisjordânia.

“As crianças palestinas de Jenin têm sido alvos frequentes dos militares israelenses. É chocante que as forças de Israel, sentadas num veículo blindado, possam matar a tiros duas crianças em plena luz do dia e a comunidade internacional se recuse a responsabilizá-las”, disse Ayed Abu Eqtaish, diretor do Programa de Responsabilização da organização Defense for Children International – Palestine (DCIP).

Na Faixa de Gaza, a trégua, cessar-fogo, “pausa humanitária” vem servindo menos para a chegada de comida, água e remédios para os palestinos e mais para os palestinos acharem mais mortos por debaixo dos escombros. Só na segunda e na terça-feira desta semana foram mais de 160 corpos encontrados.

Quase sete mil palestinos de Gaza ainda estão desaparecidos. Sem contar estes corpos ainda por descobrir, o número de mortos em Gaza já passa de 15 mil. Destes mortos por Israel, 6.150 eram crianças.

 

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail