ICL Notícias

Satélite da Nasa vai pesquisar oceanos e efeitos das mudanças climáticas

Missão Pace vai inaugurar uma era da ciência oceânica e poderá acelerar a compreensão do sistema terrestre
9 de fevereiro de 2024

Estudar os oceanos da Terra e a qualidade do ar, além de investigar como as mudanças climáticas afetam todo o sistema terrestre. É o que pretende a Nasa, que lançou ontem um satélite para iniciar a missão Pace — Plâncton, Aerossol, Nuvem e Ecossistema do Oceano, na sigla em inglês. O lançamento ocorreu em Cabo Canaveral, na Flórida.

O satélite é equipado com um instrumento hiperespectral de cores que permitirá aos pesquisadores medir mares e outros corpos d’água. Com ele, será possível ver em 200 cores — outros satélites de observação captam apenas sete ou oito –, possibilitando estudar os efeitos das alterações climáticas no fitoplâncton, que desempenha papel fundamental no ciclo global do carbono.

“Com esta nova adição à frota de satélites de observação da Terra da Nasa, a missão Pace irá nos ajudar a aprender, como nunca antes, como as partículas na nossa atmosfera e nos nossos oceanos podem identificar os principais fatores que afetam o aquecimento global”, disse Bill Nelson, diretor da Nasa.

O satélite tem ainda outros dois instrumentos — Polarímetro Arco-Íris Hiper Angular #2 e Espectropolarímetro para Exploração Planetária. Ambos poderão detectar como a luz solar interage com as partículas na atmosfera e oferecer informações inéditas sobre aerossóis atmosféricos e propriedades das nuvens, assim como dados sobre a qualidade do ar.

“As observações e pesquisas científicas da Pace irão avançar profundamente nosso conhecimento sobre o papel do oceano no ciclo climático”, apontou Karen St. Germain, diretora da Divisão de Ciências da Terra e diretora de Missões Científicas da Nasa.

Segundo ela, a Pace vai inaugurar uma era da ciência oceânica e poderá acelerar a compreensão do sistema terrestre. A diretora cita ainda que será possível melhorar as previsões futuras e outras condições climáticas severas, detalhando as mudanças na Terra à medida que as temperaturas aumentam.

“Vai ajudar a Nasa a fornecer ciência, dados e aplicações práticas acionáveis para ajudar nossas comunidades e indústrias costeiras a enfrentar desafios em rápida evolução”, afirmou Karen St. Germain.

 

 

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail