ICL Notícias
Xico Sá

Escritor e jornalista, faz parte da equipe de apresentadores do ICL Notícias. Com passagem por diversas redações e emissoras de tv, ganhou os prêmios Esso, Folha, Abril e Comunique-se. Participou de programas como Notícias MTV, Cartão Verde (Cultura), Redação Sportv, Papo de Segunda (GNT) e Amor & Sexo (Globo). É autor de Big Jato (Companhia das Letras) e A Falta (Planeta), entre outros livros. O colunista nasceu no Crato, na região do Cariri cearense, e iniciou sua trajetória profissional no Recife.

Prisão de Bolsonaro é pauta da Justiça, não da esquerda na rua

No momento de maior desespero do ex-presidente com PF e STF, tornar o assunto um plebiscito de praça pública é fortalecer a defesa da extrema-direita
28 de fevereiro de 2024

A rua virou um drama para a esquerda brasileira. Afinal de contas, historicamente, sempre foi a dona do pedaço. Mas desde que foi atropelada pela direita em 2013, por razões que já renderam uma babel de teses de boteco e de mestrado, cada paralelepípedo sabe como tem sido difícil resolver esse trauma.

O triunfo de Lula em 2022, com a frente ampla, mesmo tendo mobilizado a maioria dos brasileiros, não funcionou como o emplasto Brás Cubas capaz de reduzir essa melancolia canhota.

Um desnível no Congresso, com larga vantagem da direita e do centro, complica ainda mais a situação, roubando do governo a possibilidade de pender um pouco mais para o lado dos desejos esquerdistas.

E a rua com isso?

Em uma reunião no dia 20 em SP, cinco dias antes do pedido de anistia de Jair Bolsonaro na avenida Paulista, as Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular decidiram convocar um dia nacional de mobilização pela prisão do ex-presidente.

A data foi marcada: 23 de março. Compareceram ao encontro, as mais importantes siglas de entidades, movimentos sociais e partidos: UNE, CUT, MTST, MST, MNU, CMP e MMM, PT, PSOL e PCdoB.

Começou desde então um saudável e importante debate. Importantíssimo. Estaria mesmo no momento certo da esquerda voltar ao asfalto? Essa pauta é correta, mobiliza?

Não seria uma cilada, com possibilidade de pouca gente, o que seria um desastre na comparação com os “reaças”? Correria o perigo também de virar um novo 2013 e ter a massa sequestrada pela direita? Poderia sobrar, na dispersão dos desejos e do barulho, para a gestão Lula?

Sigo com um mar de interrogações — esses anzóis ao contrário, repare no sinal gráfico, é só um detalhe.

Pedir ou exigir prisão de um ex-presidente é pauta de esquerda? Não seria melhor deixar correr na máxima legalidade, nas mãos do STF, Ministério Público Federal e PF? Lembre-se: é o processo legal que tem levado o bolsonarismo ao desespero.

É fazendo perguntas que obtemos algumas pistas para decidir o rumo de qualquer coisa. A esquerda não estaria pautando algo plebiscitário, desviando para a vontade das ruas um processo jurídico? Não é essa a vontade declarada no domingo (25) pelo próprio ex-presidente?

Vale pressionar o STF para adotar linha que lembra o avexamento lavajatista? Prender sem o cumprimento (demorado mesmo) do rito legal?

Pautar o jogo para a praça pública não seria vantagem de Bolsonaro, que tenta deslocar a sua defesa para o palanque? Repare que o capitão silencia no inquérito da PF e se defende na avenida que o levou ao poder.

Preste atenção também no que disse o presidente Lula, em entrevista ao repórter Kennedy Alencar, na Rede TV!: Bolsonaro está pedindo anistia mesmo antes de ser condenado. Sinais, fortes sinais. 

Este reles cronista de rua, flâneur que domina a arte de chutar tampinhas, não vê vantagem da esquerda, nesse momento, fazer manifestações para disputar sobre prisão de político, mesmo que seja o maior dos crápulas do ramo. Seria acionar o “game” do cara.

Qualquer movimento esquerdista, como faz de modo permanente o MST, deve seguir politicamente na pressão para as grandes pautas sociais, como uma reforma agrária radical, por exemplo — uma luta que vem lá das Ligas Camponesas, no Nordeste dos anos 1950–60, e até agora não foi resolvida a contento e segundo a necessidade dos homens e mulheres do campo.

E você, que me deu a honra da leitura, o que acha? Importantíssima sua opinião nesse momento. É só subir no tamborete e deixar o seu recado.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail