ICL Notícias

Aleida Guevara: a voz revolucionária que ecoa o legado de Che

Descubra como filha de revolucionário argentino impacta o mundo como médica e ativista
21 de março de 2024

Ernesto “Che” Guevara se tornou um símbolo da revolução cubana e deixou uma marca profunda na história do país e do ativismo global. Muitos o conhecem como Che Guevara, o guerrilheiro de boina que lutou por mudanças sociais e políticas. Para Aleida, porém, ele era simplesmente “papai”.

Aleida Guevara é a filha mais velha do segundo casamento de Che e atualmente se destaca como uma figura engajada que segue os passos de seu pai, atuando como médica e ativista.

Este artigo visa apresentá-la, explorando seu papel como filha de um dos revolucionários mais influentes do século XX, abordando sua contribuição para a continuidade da luta por justiça social e equidade.

Em um artigo anterior, exploramos quem foi Che Guevara. Agora é a hora de entender quem é Aleida Guevara March e como sua vida e trabalho são fundamentais para compreender a história contínua de Cuba e o legado revolucionário de sua família.

Primeiros anos e legado familiar

Aleida Guevara March, desde seu nascimento, esteve imersa no ambiente revolucionário que seu pai ajudou a moldar em Cuba.

Ela cresceu conhecendo a complexidade da figura de Che Guevara. Não apenas pelos livros ou pelas histórias contadas por outros, mas através da vida dentro de sua própria casa. Sua infância foi marcada por uma educação que enfatizava a importância da justiça social, da equidade e do compromisso com as causas do povo.

Como filha de Che, Aleida teve uma visão única sobre os sacrifícios e lutas enfrentadas por sua família. Ela viu de perto o impacto do trabalho de seu pai na história de Cuba e como seus valores cresceram além das fronteiras. Este cenário a moldou, dando-lhe uma perspectiva profunda sobre a representatividade de seu pai no campo progressista.

A vida de Aleida Guevara não foi definida apenas por ser a filha de Che, mas também pela maneira como absorveu e perpetuou seus ideais revolucionários. Ela se tornou uma médica e ativista, seguindo os passos de seu pai na busca por um mundo mais justo.

Entender Aleida Guevara March é entender uma parte vital do legado de Che. Sua trajetória reflete não apenas a herança familiar, mas também seu próprio compromisso em continuar a luta por mudanças sociais e políticas.

Trajetória e compromissos

Aleida Guevara escolheu um caminho que espelha as convicções revolucionárias de seu pai, mas em um campo diferente. Formada em medicina, ela optou pela pediatria, dedicando sua vida a cuidar das necessidades de saúde das crianças.

Atuação profissional

Aleida expandiu seu alcance profissional e humanitário para além das fronteiras de Cuba, atuando em países como Angola e Nicarágua ainda no início de sua carreira médica.

Suas missões refletiam (e ainda refletem) a política cubana de solidariedade e seu compromisso pessoal com o bem-estar global, tratando a assistência médica como um direito humano, algo profundamente enraizado em suas convicções.

Durante a década de 1980, na Angola, ela enfrentou a dura realidade de um país em conflito, trabalhando intensamente no tratamento de doenças como a tuberculose, especialmente em crianças. Sua experiência angolana foi marcada por desafios significativos, considerando cada vida salva como uma vitória sobre a adversidade.

aleida guevara na angola

Celson, uma das crianças com tuberculose que Aleida atendeu em Angola. Reprodução: Comitê Carioca Solidariedade a Cuba

Na Nicarágua, durante um período de conflito intenso após a vitória da Revolução Sandinista em 1979, Aleida não apenas exerceu a medicina, mas também difundiu esperança e resistência entre os nicaraguenses. Ela presenciou o impacto do apoio cubano, fornecendo cuidados de saúde e suporte à nação em sua luta por soberania.

“Quando eu estava no 5º ano, a revolução começou na Nicarágua. Eles não tinham muitos médicos no sistema público. A maioria era do setor privado ou havia deixado o país. Então, Fidel Castro conversou com os estudantes de medicina e perguntou quem gostaria de participar de uma missão internacionalista na Nicarágua, e muitos de nós, inclusive eu, demos um passo à frente. No meu grupo, éramos cerca de 400 jovens de 21, 22 anos. Fomos para a Nicarágua e lá completamos o último ano da nossa formação médica. Eu me graduei como médica pela Universidade de Havana e também pela UNAM, da América Central. Foi uma experiência extraordinária para todos nós, na qual aprendemos muitíssimo.”

Aleida em entrevista à BreakThrough News

Enquanto exemplos específicos mais recentes de sua atuação na medicina não são amplamente divulgados na mídia internacional, Aleida Guevara é conhecida por sua participação em missões médicas e por seu trabalho em hospitais infantis em Cuba.

A pediatra frequentemente fala sobre a importância da medicina preventiva e do acesso universal à saúde, princípios que são consistentes com a abordagem de saúde pública construída e praticada em Cuba.

Aleida e o legado de Che

Che Guevara com filhos do segundo casamento. Reprodução: Domínio Público

Che Guevara com filhos do segundo casamento. Foto: Domínio Público

Aleida Guevara não se limita a carregar o sobrenome de seu pai, Che; ela vive seus ideais.

Com uma trajetória que transita entre a medicina e o ativismo político, em suas numerosas aparições públicas e entrevistas, Aleida demonstra uma compreensão profunda dos desafios globais e um esforço contínuo para endereçar as disparidades sociais e de saúde.

Ela sempre busca reforçar que o compromisso com os marginalizados e a luta contra a opressão são valores que transcendem gerações, inspirando ações transformadoras que perpetuam a essência da revolução socialista.

Em palestras e debates, Aleida evoca a memória de seu pai, enfatizando seu papel como um líder que transcendeu as fronteiras cubanas para se tornar um símbolo mundial de resistência, solidariedade, amor pela pátria e humanidade.

Para Aleida, Che não é apenas uma figura histórica, mas uma constante inspiração. Ela leva seu legado adiante, defendendo uma sociedade mais justa, onde todos tenham acesso à saúde, educação e oportunidades igualitárias. Ao fazer isso, Aleida Guevara não só honra a memória de seu pai, mas também contribui ativamente para que mudanças efetivas aconteçam na sociedade.

Envolvimento em causas mundiais

Como vimos, Aleida Guevara, mantendo o legado de seu pai, Che, participa ativamente de conferências, encontros e missões médicas, não apenas em países latino-americanos, mas também em outras regiões, enfatizando a cooperação internacional e o apoio mútuo.

Recentemente, ela tem se destacado por sua voz ativa em questões globais, como o conflito Israel-Palestina, onde expressou um apelo contundente para a cessação da violência contra o povo palestino.

Além de seu envolvimento em causas de saúde, Aleida se dedica a fortalecer a solidariedade entre as nações, apoiando movimentos sociais e políticos que buscam melhorar as condições de vida das populações mais desfavorecidas e promovendo a justiça social em uma escala global.

Relações com o Brasil

Aleida Guevara na conferência de abertura do 1º Festival Internacional da Utopia, em Maricá, RJ, em 2016. Reprodução: MST

Aleida Guevara na conferência de abertura do 1º Festival Internacional da Utopia, em Maricá, RJ, em 2016. Foto: MST

No Brasil, Aleida Guevara tem uma presença significativa, associada à sua defesa de políticas de esquerda e melhorias sociais, econômicas e de saúde.

Ela já manifestou seu apoio aos movimentos sociais brasileiros, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e participou de eventos e debates sobre temas relacionados à justiça social, saúde pública e direitos humanos.

Aleida também se expressa sobre a dívida histórica que países ricos têm com nações em desenvolvimento, incluindo o Brasil, e sobre a necessidade de construir uma América Latina unida e soberana, capaz de enfrentar desafios comuns e promover o desenvolvimento sustentável.

Sua relação com o Brasil e outros países latino-americanos reflete o compromisso contínuo com as ideias de seu pai de solidariedade entre os povos e luta pela justiça social e econômica.

Cuba e o impacto familiar

Aleida Guevara é filha de Cuba. Ela representa a resiliência e os ideais que moldaram a nação, mantendo vivos os resultados da revolução que tornou o país um símbolo de resistência, superação e autonomia para o cenário mundial.

Aleida Guevara, Che Guevara e Fidel Castro. Reprodução: Comitê Carioca Solidariedade a Cuba

Aleida Guevara, Che Guevara e Fidel Castro. Foto: Comitê Carioca Solidariedade a Cuba

A família Guevara não apenas marca a história de Cuba, mas também contribui ativamente para o diálogo contínuo sobre o futuro do país e seu papel no mundo. Assim, Aleida Guevara March e seus parentes não só preservam a memória de Che Guevara, mas também atuam como guardiões de um legado que continua a inspirar mudanças através das gerações, dentro e fora do país.

Conclusão

Como podemos ver, Aleida Guevara perpetua o legado de seu pai, Che, não apenas preservando sua memória, mas vivendo os princípios pelos quais o revolucionário lutou.

Sua vida é um testemunho do poder duradouro das ideias de Che e da capacidade de influenciar positivamente as gerações futuras. Aleida não é apenas uma mulher; ela é uma revolucionária, cujo trabalho e vida continuam a ecoar o legado de Che Guevara.

 

Participe do evento exclusivo e gratuito do ICL com Aleida Guevara. Conheça a história de luta e coragem de Che Guevara e saiba como ele inspirou a história de Aleida e de muitos outros. Dia 21 de abril, domingo, às 20h. Clique aqui e inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail