ICL Notícias

Líder do MBL admite querer ‘confronto’ com Padre Julio

Renan Santos usa as redes sociais para chamar religioso de 'bizarro'
5 de janeiro de 2024

A repercussão negativa da possível criação da CPI das ONGs na Câmara Municipal de São Paulo, que teria entre os alvos o padre Julio Lancellotti, não arrefeceu o ânimo do Movimento Brasil Livre (MBL). Renan Santos, coordenador do grupo, admite querer “confronto” com o religioso.

“Haverá o momento de confronto com ele e com a indústria da miséria que destrói o Centro de São Paulo. Mas não é agora”, escreveu Renan Santos na rede social X.

Na mesma postagem, Santos tenta distanciar o MBL da CPI das ONGs e afirma que a “briga com esse padre não é nossa”. Ao mesmo tempo, mantém o religioso como alvo.

“Conhecemos bem a índole e os contatos desse bizarro. É a figura mais blindada da esquerda — quiçá da política brasileira”, completa Santos.

CPI

O pedido de abertura da CPI das ONGs foi protocolado no dia 6 de dezembro pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil), um dos fundadores do MBL. A possível criação da comissão, no entanto, gerou forte repercussão.

Ontem, os vereadores Thammy Miranda (PL), Xexéu Tripoli (PSDB), Sidney Cruz (Solidariedade) e Sandra Tadeu (União Brasil) anunciaram que vão retirar apoio à instalação da CPI das ONGs.

Os parlamentares alegaram que não foram informados que a CPI teria como um dos alvos o padre Julio Lancellotti, responsável por trabalho social na Paróquia de São Miguel Arcanjo, na região da Cracolândia, no Centro de São Paulo.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail