ICL Notícias

Mina da Braskem em Maceió se rompe sob a Lagoa Mundaú; veja vídeo

Prefeito da capital alagoana disse que a mina e todo o seu entorno estão desocupados e não há qualquer risco para as pessoas
10 de dezembro de 2023

O prefeito de Maceió (AL), João Henrique Caldas, conhecido como JHC (PSB), informou no X que a Mina 18 da Braskem se rompeu em trecho sob a Lagoa Mundaú, próximo ao Mutange, um dos vários bairros afetados pela ação mineradora da empresa (veja o vídeo abaixo).

“Às 13h15 de hoje, a mina 18 sofreu um rompimento, no trecho da lagoa próximo ao Mutange. Estarei em instantes sobrevoando a área com os nossos técnicos”, afirmou JHC.

Também segundo o prefeito, a Defesa Civil municipal afirma que a mina e todo o entorno estão desocupados e “não há qualquer risco para as pessoas”.

LEIA: CPI da Braskem será protocolada mesmo sem apoio do PT, diz Renan Calheiros

Em vídeos compartilhados por JHC, é possível ver que, no momento em que há o rompimento, é formado uma espécie de vortex na água.

Afundamento acelerado

Autoridades já alertavam que a mina estava afundando cada vez mais rápido. Entre sexta-feira (8) e sábado (9), a Defesa Civil de Maceió informou que a estrutura havia cedido 2,16 metros (m), a uma velocidade de 0,35 centímetros por hora (cm/h).

Em 24 horas, o solo cedeu 8,6 centímetros na região. No boletim anterior, divulgado na tarde de sexta, a velocidade de afundamento da mina era menor, de 0,21 cm por hora, apresentando um movimento de 5,2 cm ao longo de 24 horas.

VEJA: Saiba mais sobre a Braskem, a empresa que causou o afundamento em Maceió

Por causa disso, a Defesa Civil manteve o nível de alerta para o risco de colapso da mina, que fica na região do antigo campo do CSA, no bairro Mutange, região oeste da capital.

“Por precaução, a recomendação é clara: a população não deve transitar na área desocupada até uma nova atualização da Defesa Civil, enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo”, informava a Defesa Civil, por nota.

Um breve histórico

A Braskem teve em Maceió 35 poços de extração de sal-gema, material usado para produzir PVC e soda cáustica.

A exploração do minério começou em 1979 e se manteve até maio de 2019, quando foi suspensa um dia após a divulgação de laudo pelo Serviço Geológico apontando riscos nas escavações.

Recentemente, a jornalista Heloisa Vilela, do ICL, fez uma série de reportagens sobre a ação da mineradora Braskem em Maceió:

Prefeitura de Maceió vendeu bairros de ‘Chernobyl Alagoana’ a Braskem
Lira tem ligação com ação da Braskem que gera ‘terremoto’ em Maceió
Os problemas emocionais causados pela ‘Chernobyl Alagoana’

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail