ICL Notícias

Pressão de Netanyahu faz Parlamento de Israel aprovar lei que pode banir Al Jazeera

Nova legislação permite o fechamento de escritórios de empresas de notícias estrangeiras no país
2 de abril de 2024

O Parlamento de Israel aprovou nesta segunda-feira (1º) projeto de lei que permite o fechamento sumário de empresas estrangeiras de notícias que representem “risco à segurança” do país. A aprovação — por 71 votos a favor e 10 contra — ocorre após pressão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Na prática, a medida visa expulsar a Al Jazeera, um dos poucos canais internacionais de TV que ainda faz transmissões ao vivo a partir da Faixa de Gaza. A empresa é acusada por Netanyahu de ser a favor do Hamas e incitar a população contra Israel.

Com a aprovação, o primeiro-ministro e a ministro das Comunicações podem ordenar o fechamento de redes estrangeiras que operam em Israel e confiscar equipamentos das empresas.

“Al Jazeera prejudicou a segurança de Israel, participou ativamente no massacre de 7 de outubro e incitou contra os soldados das Forças Armadas de Israel”, postou Netanyahu na rede social X.

O primeiro-ministro, no entanto, não apresentou provas do envolvimento da Al Jazeera com o ataque do Hamas.

“É hora de retirar o porta-voz do Hamas do nosso país. O canal terrorista Al Jazeera não transmitirá mais de Israel. Pretendo agir imediatamente de acordo com a nova lei para interromper a atividade do canal”, acrescentou Netanyahu.

Netanyahu quer expulsar a Al Jazeera de Israel. Empresa tem escritórios na Cisjordânia e em Gaza. Foto: Reprodução/ Al Jazeera

Netanyahu é criticado

Organizações de liberdade de imprensa denunciaram a medida do Parlamento de Israel. Já a Casa Branca informou que considera “preocupante” a possível proibição da Al Jazeera no país.

“Acreditamos na liberdade de imprensa. É crítico. É extremamente importante, e os Estados Unidos apoiam o trabalho extremamente importante que os jornalistas realizam em todo o mundo, e isso inclui aqueles que reportam sobre o conflito em Gaza”, disse porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

Cerco à imprensa

Segundo o jornal O Globo, não é a primeira vez que Israel anuncia medidas contra empresas de comunicação. Em outubro de 2023, logo após o início dos conflitos com o Hamas, o governo aprovou regras que permitiam, em tempo de guerra, o fechamento provisório da mídia estrangeira que fosse considerada uma ameaça.

Na ocasião, o ministro das Comunicações, Shlomo Karhi, disse que esperava que as medidas fossem usadas contra a Al Jazeera, acusada por ele de ser tendenciosa a favor do Hamas.

Alvo constante

O governo de Israel atacado com frequência a Al Jazeera, emissora que tem escritórios na Cisjordânia ocupada e também na Faixa de Gaza.

Em 2017, Israel se comprometeu a banir os jornalistas da rede do Catar, fechar os dois escritórios e bloquear as ondas de rádio.

Ministro das Comunicações de Israel na época, Ayoob Kara acusou o canal de incitar a violência, principalmente em torno da Mesquita de al-Aqsa.

Em 2022, a correspondente Shireen Abu Akleh foi morta por forças israelenses enquanto fazia uma reportagem em Jenin, na Cisjordânia ocupada.

Palestina, a jornalista Faten Elwan já foi alvo do Exército de Israel. Em entrevista a Heloisa Villela, do ICL Notícias, ela contou que foi baleada duas vezes durante cobertura nos territórios ocupados.

Deixe um comentário

Mais Lidas

Assine nossa newsletter
Receba nossos informativos diretamente em seu e-mail